sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Descendo a escadaria do sonho.

Sonhar, planejar, imaginar... é o primeiro passo para se conquistar algo.
Sêneca, o filósofo, traduziu bem nesta frase a importância de se ter uma meta na vida: "Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir".
Ainda que o objetivo esteja num horizonte distante, estipular metas significa ao menos, escolher uma direção para chegar lá.
Sonhar consiste em:

  • internalizar um desejo; 
  • torcer para que as circunstâncias sejam favoráveis; 
  • agir de forma racional visando se aproximar cada vez mais do objetivo.

Ocorre que nesse processo de sonhar, naturalmente envolvemos nossa emoção, nossa expectativa.
E é nesse aspecto que nós mulheres, altamente emocionais, adentramos o campo do incerto, nos submetemos ao risco, à frustração.

Como Cinderela pode nos ajudar nesta reflexão? Oras... o sonho, a aproximação... e um imprevisto!



O Sonho: Cinderela tinha como meta participar do baile. Atraiu para si através da sua fé e determinação, a oportunidade de realizar seu sonho.
A aproximação: Vestiu-se de azul-esperança e lindamente adentrou o enorme salão chamando a atenção de todos. Encantando o coração do príncipe.
Viu face a face a chance única de libertar-se de suas misérias, suas tristezas.
O imprevisto: Ao soar as doze badaladas no relógio real, desce apressada a escadaria do sonho, deixando para trás o maior sonho de sua vida. Desce agora anônima, inconsolável, frustrada e descrente, a pobre Cinderela.


A vida é mesmo surpreendente. Nem a personagem da nossa história, e nem você, em seus sonhos frustrados, pode perceber que justamente o imprevisto, no caso representado pela perda do sapatinho de cristal, seria apenas um novo caminho.

Muitas vezes, declaramos mentalmente nossa própria derrota, sem ao menos constatar o que ficou pelo caminho. Nem sempre as coisas saem conforme o planejado, nem sempre saem o ideal que tanto sonhamos.
Os imprevistos podem ser a abertura de um novo caminho, e se feitas as escolhas certas, pode se revelar ainda mais florido e feliz do que aquele que planejamos.

O Final Feliz de Cinderela todas nós já conhecemos.

Mas voltando pra vida real, cabe a cada uma de nós recolher as esperanças caídas, redirecionar os passos, não desanimar. Se o "príncipe" não bateu a sua porta para lhe calçar o sapato perdido, faça o caminho inverso: Corra atrás do "príncipe".
Não desista de seus sonhos, apenas redirecione seus passos.

Nosso amigo filósofo Sêneca, diria: São os ventos da mudança soprando em novas direções.